Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10507
Título: Influência das ondas e das características geomorfológicas no zoneamento territorial costeiro entre Porto de Galinhas e Rio Formoso, litoral sul de Pernambuco-Brasil
Autor(es): Soares Junior, Carlos Fernando de Andrade
Palavras-chave: Profundidade de Fechamento; Zona Não Edificante; Plataforma Continental
Data do documento: 4-Nov-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: SOARES JUNIOR, Carlos Fernando de Andrade. Influência das ondas e das características geomorfológicas no zoneamento territorial costeiro entre Porto de Galinhas e Rio Formoso, Litoral Sul de Pernambuco - Brasil. Recife, 2014. 142 f. Tese (doutorado) - UFPE, Centro de Tecnologia e Geociências , Programa de Pós-graduação em Geociências, 2014.
Resumo: A presente pesquisa foi desenvolvida no sentido de levantar informações sobre o sistema costeiro, bem como quantificar o estado e as tendências da erosão entre os distritos de Porto de Galinhas e Rio Formoso, litoral Sul de Pernambuco – Brasil. A zona costeira estudada, de aproximadamente 27Km de extensão, é ambientalmente e economicamente estratégica, sendo foco de intensa expansão urbana, surgindo assim, problemas ambientais, em especial a erosão marinha, provocada principalmente pela crescente ocupação urbana da área. Na intenção de contribuir para a preservação ambiental da área, a pesquisa objetiva apresentar a caracterização dos processos hidrodinâmicos das ondas, definir uma linha de preamar máxima para estabelecer uma zona não edificante e pontuar suas implicações ambientais. Para alcançar esse objetivo, fezse necessário determinar a influência da hidrodinâmica das ondas, como um atributo fundamental para o zoneamento da plataforma rasa e zona litorânea adjacente; delimitar a zona ativa (profundidade de fechamento) da plataforma continental rasa, determinando o limite litorâneo através da batimetria e determinar a linha de preamar máxima para definir a zona não edificante, na parte continental da área da pesquisa. Os dados hidrodinâmicos e de altitude da costa obtidos, direcionaram a pesquisa para uma subdivisão da área em seis setores. Para cada setor, em particular, foi estabelecida uma zona não edificante a partir da equação matemática (R=SLG/H) proposta por Bruun (1962). Na equação matemática foi utilizada a previsão do aumento do nível do mar para 2100 (IPCC), considerando duas probabilidades: o aumento de 22cm, e o aumento de 50cm. O resultado revela para o setor 1, uma área máxima não edificante de 26,30m; para o setor 2 de 44,6m, para o setor 3 de 55,80m, para o setor 4 de 44m, para o setor 5 de 58m e finalmente para o setor 6 de 88m. Assim, apenas o setor 1 tem sua proteção ambiental garantida, pois para as duas previsões (otimista e pessimista), a área esta contida na faixa não edificante de 33m, estabelecida por lei. O setor 2 e 3 só estariam protegidos se considerado o aumento do nível do mar da ordem de 22cm, enquanto que os demais setores só estariam protegidos se a área não edificante fosse maior que a estabelecida por lei. Após observar as particularidades geológicas, morfológicas e de altitude da costa de cada setor, o que influência no resultado da retrogradação, conclui-se a importância de um estudo regional e das características de cada setor como parâmetro para estipular mecanismos de preservação dessas áreas ambientalmente frágeis e estratégicas.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10507
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Geociências

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese Fernando de Andrade Soares Júnior.pdf12,16 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons