Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10476
Title: Análise do erro altimétrico do MDE ASTER-2 na declividade
Authors: Marroquim Santiago, Marcondes
Keywords: Modelo Digital de Elevação;ASTER-2;Simulação de Monte Carlo;Incerteza e Precisão
Issue Date: 31-Jan-2013
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Santiago, M. M. A Influência da Incerteza altimétrica do MDE ASTER-2 na declividade. Recife, 2013. Dissertação de Mestrado – Centro de Tecnologia e Geociências, Universidade Federal de Pernambuco.
Abstract: Modelo Digital de Elevação (MDE) do ASTER-2 é um modelo obtido a partir de imagens estereoscópicas orbitais que recobre uma área de extensão global, entre as latitudes 83ºN e 83ºS. O United States Geological Survey (UGSS) e o Earth Remote Sensing Data Analysis Center (ERSDAC) desenvolveram estudos sobre a precisão desse modelo, com base no Erro Médio (EM) e no Desvio Padrão ( ) deste erro, chegando a valores diferentes. A declividade é um produto derivado do MDE, obtida por operações de vizinhança sobre ele. Levando-se em consideração a incerteza do MDE ASTER-2, essa pesquisa teve por objetivo analisar e mensurar o efeito da mesma sobre a variável declividade, a partir dos indicadores da USGS e da ERSDAC. Para atender esse objetivo, foi empregado o Método de Simulação Monte Carlo de forma a gerar grades de incertezas altimétricas que deram origem a grades de declividade. Essas grades foram averiguadas em relação ao Coeficiente de Variação (CV), destacando-se as seguintes conclusões: (i) as áreas planas são mais difíceis de serem identificadas pelo MDE ASTER-2; (ii) em função do modelo matemático empregado pelo CV, seu valor tende a aumentar exponencialmente a medida que a média das declividades tende a zero e isso acontece em regiões planas; (iii) o menor valor de declividade que pode ser identificado pelo ASTER-2 é 13.89% com um de nível de confiança de 0,05%. Também foi analisada a estratificação da declividade proposta pela EMBRAPA/IBGE, INCRA e Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE). Esses órgãos empregam diferentes pontos de corte para as classes e por isso diferentes realidades foram detectadas. Os mapas se mostraram uma excelente forma de interpretar essas realidades.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10476
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO Marcondes Marroquim Santiago.pdf3.41 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons