Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10467
Título: A dialética de transformação do self e do autoconceito: dimensões auto-refletidas no cárcere feminino
Autor(es): Rodrigues, Lysia Rachel Moreira Basílio
Palavras-chave: Self; Autoconceito; Transformação; Cárcere; Feminino
Data do documento: 31-Jan-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: BASÍLIO, L. R. M. (2013). A dialética de transformação do Self e do Autoconceito: dimensões auto-refletidas no cárcere feminino. 203f. Tese (Doutorado) – Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Resumo: O presente trabalho elege o evento encarceramento, ou privação de liberdade em decorrência de envolvimento em ato delituoso, como fator possivelmente desencadeador de transformações no autoconceito. Estas transformações, que no presente estudo foram abordadas no universo feminino, podem elucidar aspectos da conceituação, dinâmica do autoconceito e da permeabilidade deste a fatores do meio externo aos quais o sujeito está constantemente se defrontando durante a vida (Kinch, 1963; L’Écuyer, 1978, 1985a; Demo, 1992). O autoconceito é composto por múltiplas dimensões do Self que estão organizadas hierarquicamente, possuem uma mobilidade, em termos de posição mais ou menos central em diferentes momentos da vida, e funcionam como esquemas da cognição (L’Écuyer, 1978). É ainda um produto estrutural complexo da atividade reflexiva, permeável a mudanças promovidas por novas situações, transições e papéis sociais, ou seja, o autoconceito é, concomitantemente, estável e dinâmico (Demo, 1992). Para investigação das transformações e estrutura no autoconceito das mulheres encarceradas, cinco mulheres participaram, na etapa qualitativa do estudo, de entrevistas semi-estruturadas com base nas dimensões integradas do Self propostas por L’Écuyer (1978), e cento e cinquenta mulheres, na etapa quantitativa, responderam em escala likert de 5 pontos a um questionário, contendo o Inventário Feminino dos Esquemas de Gênero do Autoconceito (Giavoni; Tamayo, 2005), a Escala de Clareza do Autoconceito (Campbell et al, 1996, versão em português Nascimento, 2008), a Escala de Autoconsciência Situacional (Nascimento, 2008) e a Escala Crime Emoções (Canter; Ioannou, 2004). Na etapa qualitativa realizou-se a Análise de Conteúdo (Bardin, 1977; Moraes, 1999) das entrevistas, e na quantitativa, as estatísticas descritivas dos testes, análises de Componentes Principais (CP) e de consistência interna (Alfa de Cronbach), índice Kaiser-Meyer-Olkin (KMO), Teste de Esfericidade de Bartlett, critérios da Raiz Latente (Autovalores) e do Gráfico de Declive (o Teste Scree) e rotação ortogonal de tipo varimax, além de Regressão Múltipla, Correlações r de Pearson e Correlações de Spearman. Em síntese, os achados demonstraram uma organização dinâmica e multi-dimensional do autoconceito das mulheres, onde são encontradas categorias diversas do Self. Os dados demonstram a interveniência das variáveis Idade, Tempo e Quantidade de Prisões, Escolaridade e Pais Presos na estruturação do Autoconceito de Gênero, Clareza do Autoconceito, Autoconsciência Situacional e Emoções do Crime na vivência do encarceramento. O impacto da idade e tempo de prisão em aspectos especialmente auto-reflexivos da consciência apontam o caráter relativamente maleável do autoconceito na idade adulta, simultâneo à sua madura estruturação nesta etapa da vida.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10467
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia Cognitiva

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese Lysia.pdf1,82 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.