Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10337
Title: Diálogos sobre sexualidade com os/as adolescentes/jovens de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca - PE
Authors: SHUÑA, Rocio del Pilar Bravo
Keywords: Sexualidades; Adolescentes; Jovens; Feminismos; Direitos
Issue Date: 25-Apr-2014
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: Este estudo busca compreender como as/os adolescentes/jovens (interlocutoras/es), com idades entre 16 e 19 anos, moradores dos municípios de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, significam a sexualidade, especificamente o início da suas vidas sexuais e o namoro, em interseção com os marcadores sociais de gênero, geração, raça e classe. Desta forma, procurou-se refletir sobre o método de intervenção utilizado, trazendo as experiências que são (re)construídas nos (des)encontros entre a/os pesquisadora/es e as/os interlocutoras/es, e as produções acadêmicas na área de psicologia sobre a sexualidade das/dos adolescentes/jovens questionadas/os a partir de um olhar feminista pós-estrutural, sendo uma Pesquisa Ação Participativa (PAR), cujos instrumentos metodológicos foram as rodas de diálogos e o diário de campo. Nestes diálogos observamos (des)igualdades, diferenças e agenciamentos que as/os adolescentes/jovens vivem e mobilizam no percurso de suas carreiras sexuais (HEILBORN, 1999). O início da vida sexual delas/deles acontece, em média, entre os 14 e 15 anos, idades que o mundo adulto considera “cedo” ou “precoce”. As práticas sexuais que definem este início giram em torno do que é considerado como “normal” e da noção de “virgindade”. Por outro lado, o namoro ainda mantém certas características do amor romântico, o pretendente é quem vai à casa da namorada para solicitar a aceitação dos pais, como sinal de fidelidade e de compromisso futuro para um casamento – muito embora o relacionamento possa continuar mesmo sem ter o aceite dos pais da adolescente/jovem, o mesmo não acontece com os rapazes. Assim sendo, outros vínculos afetivo-sexuais surgem na “ilegalidade” como “ficar”, “amizade colorida” e “conhecerem-se”, formas menos complicadas de elas/eles viverem a sexualidade fora da vigilância adultocêntrica. Através destas experiências, também discutimos as teorias ideológicas (heterossexismo, capitalismo, patriarcado, colonialismo) que sustentam e mobilizam saberes/poderes na interação entre as micropolíticas e macropolíticas que circulam nos cenários sexuais das/dos adolescentes/jovens (SPIVAK, 2010); discutimos ainda os circuitos (des)integrados (HARAWAY, 2009): família, escola, religião e posto de saúde, os quais dificultam a vivência da sexualidade delas/deles e o acesso a seus direitos sexuais e direitos reprodutivos. Este é um panorama mais constrangedor para as mulheres e para os grupos LGBTTI. Outro aspecto importante é que a metodologia nos permitiu (re)pensar sobre o próprio dispositivo de pesquisa. Assim, consideramos que trabalhar a partir de uma perspectiva teórico-metodológica feminista pós-estrutural tenha facilitado as reflexões e os posicionamentos das/dos adolescentes/jovens como sujeitos responsáveis por sua sexualidade. Por este motivo, é importante seguir investindo em novas formas de fazer pesquisa que possam visibilizar a voz das/dos adolescentes/jovens, capazes de debater e exigir seus próprios direitos sexuais e direitos reprodutivos, de lutar contra as desigualdades que as/os atingem.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10337
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO Rocio del Pilar Bravo Shuña .pdf3.55 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons