Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10336
Título: Caracterização do estado sólido e determinação dos parâmetros térmicos e de dissolução da nifedipina
Autor(es): LEITE, Renata da Silva
Palavras-chave: Nifedipina; Análise térmica; Dissolução
Data do documento: 28-Fev-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: LEITE, Renata da Silva. Caracterização do estado sólido e determinação dos parâmetros témicos e de dissolução da nifedipina. Recife, 2012. 79f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco. CCS. Ciências Farmacêuticas, 2012..
Resumo: Devido ao exacerbado crescimento do mercado nacional farmacêutico e a diversidade de produtos farmacêuticos obtidos por diferentes tecnologias, as indústrias farmacêuticas são desafiadas a desenvolver e aprimorar metodologias para o controle de qualidade dessas matérias primas. Caracterizar o estado sólido da nifedipina e desenvolver métodos de caracterização através da correlação de parâmetros térmicos e de dissolução do fármaco foram os objetivos deste trabalho, de modo a obter informações rápidas a cerca de padrões tecnológicos e de qualidade da matéria-prima. Cristais de nifedipina foram obtidos através da recristalização em metanol, álcool isopropílico, acetona, acetato de etila, clorofórmio e diclorometano. Os cristais foram analisados através das técnicas térmicas (TG, DTA e DSC cooling), Difração de raios X, Infravermelho e dissolução. Os dados de Ozawa mostraram um comportamento cinético de ordem zero a nifedipina com valores de Ea (123,3 KJ/mol ± 0,1), fator de frequência (25,93 min-1 ± 0,89), na fração decomposta α0,1 e α0,9. A curva calorimétrica DTA mostrou que ocorre fusão na temperatura inicial (Ti) em 171,32 ºC e temperatura final (Tf) em 180,93ºC, com uma transição de fase correspondendo a um processo endotérmico em 175,16ºC com calor de reação de 99,55 J g–1. Os dados termogravimétricos mostraram a decomposição térmica do fármaco em duas etapas: a primeira etapa ocorreu na temperatura inicial (Ti) em 198ºC e temperatura final (Tf) em 313°C com perda de massa Δm1= 93.4% e a segunda etapa Δm2 = 4.0% (Ti =533,24 °C e Ti =677,58 °C). Os dados do DSC-fotovisual evidenciaram o processo de fusão e o processo de volatilização do fármaco, correspondente a primeira etapa de perda de massa. Os dados do DRX mostraram que esta matéria-prima apresenta diferentes formas cristalinas quando submetido a processos de recristalização por diferentes solventes. Utilizando dados de TG isotérmico foram calculadas as constantes de perda de massa (k0) para os cristais nas temperaturas 180, 190, 200, 210 e 220°C. Os valores de k0 evidenciaram a variação na estabilidade térmica entre os cristais. Os perfis de dissolução dos cristais mostraram forte dependência do pH e grande variação entre os cristais de acordo com o solvente de recristalização. A correlação entre as técnicas térmicas e de dissolução consiste em uma importante ferramenta que pode ser aplicada na caracterização de diferentes formas físicas, no controle de qualidade de matérias-primas ativas e no desenvolvimento de medicamentos.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10336
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RSL.pdf1,51 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons