Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10279
Título: Maconha e representações sociais: A construção discursiva da cannabis em contextos midiáticos
Autor(es): SOUSA, Yuri Sá Oliveira
Palavras-chave: Maconha; Mídia; Comunicação; Representações Sociais
Data do documento: 27-Fev-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O campo das drogas é constituído por uma pluralidade de objetos que assumem diferentes formas e significados a depender do contexto de inserção. A cannabis – ou maconha, por sua vez, é a droga ilícita mais utilizada no Brasil e, além disso, tem movimentado debates em diferentes setores como os da política, saúde e direito. A pesquisa realizada teve o objetivo de analisar a construção social da maconha a partir de discursos produzidos em dois meios de comunicação: um jornal de circulação nacional e um fórum digital de discussão. Desse modo, foram realizados dois estudos complementares a partir do campo teórico-conceitual das representações sociais. De forma comum aos dois meios de comunicação abordados, se considerou todo o material textual veiculado no período de dois anos (2010 - 2012) cujo tema central fosse a maconha. No primeiro estudo foram analisadas 489 matérias do jornal Folha de S. Paulo. Os dados foram tratados com auxílio do software Alceste e em seguida foram realizadas análises de conteúdo. A partir do procedimento de Classificação Hierárquica Descendente o Alceste dividiu o material em 6 classes, permitindo identificar diferentes formas de discurso sobre o tema. A classe 1 apresentou a maconha como uma mercadoria do tráfico, objetivando-a nas apreensões policiais; a classe 4 também apresentou discursos sobre a apreensão de maconha, mas de forma relacionada especificamente à fronteira entre Brasil e Paraguai; a classe 2 contemplou notícias sobre casos de consumo de maconha que produzem alguma ruptura com a ordem cotidiana, como a descoberta do consumo entre celebridades e crianças; a classe 6 tratou da regulação política da cannabis, particularmente a partir de transformações legais experimentadas em outros países; na classe 5 a maconha surge como um objeto da medicina, tratando sobre os seus potenciais efeitos danosos e terapêuticos; por fim, a classe 3 apresentou a inserção da cannabis em manifestações da marcha da maconha. Para compor o material do segundo estudo, foram coletadas as produções do fórum digital Yahoo Respostas, totalizando 1058 publicações de participantes. Com auxílio do software Atlas.ti, os dados foram analisados pelo procedimento de análise de conteúdo temática. Os resultados inserem a maconha nas relações de consumo e tráfico de drogas, enfatizando a dimensão legal do objeto. Além disso, a maconha foi descrita como responsável pela emergência de fenômenos negativos: dependência; “porta de entrada” para outras drogas; tráfico e crimes violentos; sofrimento familiar; danos à saúde e mortes. De forma minoritária, o prazer decorrente do consumo e a cura de doenças foram mencionados. Apesar disso, os discursos dos participantes privilegiam a caracterização da maconha como uma droga marcadamente negativa. Tal resultado importa, por exemplo, para o entendimento do processo de estigmatização social da cannabis e dos seus usuários, que são comumente compreendidos a partir de lógicas criminosas, patológicas e de degradação moral. Por fim, os resultados dos dois estudos apontam para o caráter polêmico e polissêmico do processo de construção social da maconha no Brasil, demandando reflexão constante sobre os fenômenos psicossociais a ela relacionados.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10279
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Yuri Sousa.pdf1,24 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons