Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10247
Título: “Desenvolvi-gente”: o jovem artesão do Museu do Homem do Nordeste, em Araçoiaba (PE) e a dimensão antropológica das políticas públicas de cultura no Brasil
Autor(es): Rangel, Vânia Maria Andrade Brayner
Palavras-chave: Antropologia e Cultura; Políticas Públicas de Cultura; Patrimônio Cultural; Sustentabilidade; Museu do Homem do Nordeste
Data do documento: 31-Jan-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: RANGEL, Vânia Maria Andrade Brayner; MELLO, Ciema Silva de. 'Desenvolvi-gente': o jovem artesão do Museu do Homeme do Nordeste, em Araçoiaba (PE) e a dimensão antropológica das políticas públicas de cultura no Brasil. Recife, 2012. 195 folhas Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Programa de Pós-Graduação em Antropologia, 2012.
Resumo: Na presente dissertação, proponho uma análise do lugar atribuído ao campo da Antropologia na definição das políticas públicas de cultura, o que determina o tipo de investimento governamental nos diversos países. No Brasil, a definição pelo conceito abrangente da cultura, durante a gestão do ministro Gilberto Gil, determinou os parâmetros das estratégias para suas consequentes políticas culturais, com importantes repercussões no cotidiano das pessoas, o que provocou algo parecido com o que habitantes da Nova Guiné chamam de “desenvolvi-gente”. Nesse período — cujas ações e seus consequentes impactos ainda estão em curso —, percebe-se que a Cidadania Cultural proposta pelo Ministério da Cultura, que reforça o direito do indivíduo produzir “sua cultura” e de participar das decisões quanto ao fazer cultural, foi responsável pela introdução de palavras como autonomia, protagonismo e sustentabilidade no discurso de milhares de produtores de cultura do território nacional, sejam das expressões tradicionais, das linguagens contemporâneas; ou das pequenas cidades, das aldeias indígenas, dos terreiros ou grandes centros urbanos. No lastro dessas novas políticas, apresentaremos a experiência do Museu do Homem do Nordeste, no município de Araçoiaba (PE) que, através do seu Programa de Formação do Jovem Artesão, atuou como agência social, como apregoa a atual Política Nacional dos Museus, que coloca entre os seus princípios fundamentais, a valorização da dignidade humana, a promoção da cidadania e o cumprimento da função social dos museus.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10247
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Antropologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_VaniaBrayner_PPGA.pdf1,18 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons