Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1017
Title: Biodegradação de querosene de aviação por fungos filamentosos
Authors: MACIEL, Carla do Couto Soares
Keywords: Biorremediação; Querosene de aviação; Aspergillus tamarii; Penicillium griseofulvum
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: do Couto Soares Maciel, Carla; Buarque de Gusmão, Norma. Biodegradação de querosene de aviação por fungos filamentosos. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Biologia de Fungos, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: O querosene é um produto derivado da destilação do petróleo, formado por uma mistura de hidrocarbonetos parafínicos e naftênicos. O presente trabalho objetivou avaliar o potencial de Aspergillus tamarii (UFPEDA 870), Curvularia lunata (UFPEDA 885), Penicillium aurantiogriseum (UFPEDA 884), P. corilophylum (UFPEDA 886)e P. griseofulvum (UFPEDA 880), isolados de uma lagoa poluída na região portuária de Suape, Pernambuco, em degradar o querosene. Inicialmente foi feito um ensaio primário de degradação utilizando o indicador redox 2,6 diclorofenol indofenol. Em seguida os fungos foram adaptados em concentrações crescentes de querosene (1% a 30%) e os produtos da degradação foram analisados por fitotoxicidade. Os fungos que se destacaram foram submetidos ao ensaio de bioestímulo, onde foram empregados três meios de cultura: Bushnell-Haas: tradicional (BH1) e modificados com relações carbono:nitrogênio de 50:1 (BH2) e de 100:1 (BH3). Nos ensaios preliminares A. tamarii e P.griseofulvum apresentaram menor tempo de mudança do indicador, com 14 horas de contato e ainda promoveram um efeito sinérgico para com as demais linhagens, quando em consórcio. Nos ensaios de adaptação, os mesmos cresceram em até 30% de querosene, enquanto que as demais linhagens não sobreviveram a concentrações superiores a 5% (C. lunata) ou produziram baixos teores de biomassa (P. aurantiogriseum e P. corilophyllum), a partir de 15%. Nos ensaios de fitotoxicidade, os resíduos da biodegradação por A. tamarii e por P. griseofulvum, causaram menor impacto às sementes de Brassica oleracea var. capitata (repolho roxo) até a concentração de 12%, obtendo-se 62,6% e 83,6% para o índice de germinação, respectivamente, embora todas as sementes tenham germinado. Para os resíduos degradados por C. lunata, P. aurantiogriseum e P. corilophyllum, as sementes não cresceram apenas germinaram, indicando toxicidade dos produtos da degradação. Os experimentos de bioestímulo realizados com A. tamarii e P. griseofulvum, mostraram maior degradação dos hidrocarbonetos alifáticos do querosene no meio de BH 1 para A. tamarii, enquanto que para P. griseofulvum a melhor composição de meio foi em BH 3. Os resultados obtidos destacam A. tamarii (UFPEDA 870) e P.griseofulvum (UFPEDA 880) como microrganismos promissores na biorremediação de ambientes impactados por querosene
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1017
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Biologia de Fungos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo918_1.pdf567.07 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.