Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10142
Título: Gravidez e juventude no meio urbano e rural: significados e aproximações
Autor(es): ARCOVERDE, Lílian Rocha
Palavras-chave: Gravidez na juventude; Gênero; Rede de convívio e apoio
Data do documento: 25-Nov-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Este trabalho está inserido na área de estudos da Psicologia Social sobre Adolescência/Juventude e Sexualidade. Partimos da idéia de que a gravidez vivenciada por jovens tem significados distintos construídos no campo de relações da jovem com sua rede de convívio e apoio. Nosso objetivo geral foi analisar, a partir da experiência da gravidez, as trajetórias afetivo-sexuais de duas jovens e seus parceiros sexuais, em duas regiões de Pernambuco (contexto urbano e rural), à luz das questões de gênero. Interessou ainda analisar as diferenças e possíveis aproximações dos percursos afetivo-sexuais das jovens, considerando as especificidades dos contextos de vida; investigar os posicionamentos da rede de convívio e apoio frente ao evento da gravidez da jovem, bem como conhecer e problematizar sobre os projetos de vida das jovens pesquisadas após a gravidez. Para tanto, partimos dos dados de pesquisa do projeto GRAVID e resgatamos as histórias de vida de duas jovens sementes, uma moradora de bairro periférico de Recife e outra moradora da zona rural de cidade do sertão pernambucano. Do ponto de vista teórico, nos apoiamos na literatura que valoriza os significados do evento da gravidez na vida de jovens, fugindo dos estigmas de precocidade e irresponsabilidade. Também fizeram parte das nossas perspectivas teóricas as leituras sobre gênero e sexualidade, assim como a noção dos direitos sexuais e reprodutivos. A partir das análises das entrevistas, compreendemos que a jovem do contexto urbano exercia livre circulação social, incluindo as experiências da sexualidade. De outra maneira, a jovem do contexto rural vivia em um ambiente de muito isolamento e tinha sua vida vigiada por sua mãe. Para as duas histórias de vida, os membros da rede de convívio e apoio, de maneira geral, reiteravam os discursos de precocidade e a falta de condições para a maternidade. Os projetos de vida das jovens passaram pelos cuidados com os filhos e a pretensão de voltar a estudar. Conforme perspectiva dos “circuitos integrados”, foi possível identificar que a rede de convívio e apoio das jovens pesquisadas reitera a lógica de gênero que discrimina a jovem mulher e não apóia suas iniciativas de empoderamento. Em ambos os contextos de vida, as jovens após a gravidez estiveram dependentes financeiramente dos seus companheiros e tiveram a dedicação de suas vidas ao universo doméstico, reforçando a lógica de desigualdade de gênero.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10142
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertaçao Lílian Rocha Arcoverde.pdf654,84 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons