Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10011
Title: Aliança e oposição: relações entre trabalhadores rurais e o MST
Authors: Paula da Silva Eleutério, Adriana
Keywords: Trabalhadores rurais; Movimentos sociais - MST; Conflitos Sociais
Issue Date: 2002
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Paula da Silva Eleutério, Adriana; Maria Pereira da Silva, Zelia. Aliança e oposição: relações entre trabalhadores rurais e o MST. 2002. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.
Abstract: O modelo agrário brasileiro aponta uma realidade de elevada concentração fundiária, constituída historicamente pela ação das classes dominantes que utilizam a terra como instrumento de poder econômico e político e para efeito de especulação. Diante da situação no campo, a luta pela terra significa uma luta contra o seu monopólio exercido pelo capital, representado pelos latifundiários, grandes empresas e grupos econômicos. Considerando o atual contexto, este estudo tem como objetivo analisar a relação de aliança e oposição entre trabalhadores rurais do município de Touros, Estado do Rio Grande do Norte, e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MST , em uma área que se encontrava em conflito pela posse da terra, identificando-se as determinações que se fizeram presentes, no conflito intraclasse social. A pesquisa de campo foi realizada no referido município, utilizando-se, como instrumentos para a coleta de dados, a observação, associada a entrevistas semi-estruturadas e à pesquisa documental. Os resultados desta pesquisa evidenciaram que existem: concepções diferentes acerca da luta pela terra, bem como divergências nas suas estratégias e no seu encaminhamento, entre o Sindicato de Trabalhadores Rurais de Touros STR de Touros e o MST, fato que dividiu aqueles trabalhadores envolvidos no mencionado conflito; relações, também, conflituosas, que revelaram a fragilidade de sua identidade de classe social, contribuindo para o não reconhecimento de sua subalternidade junto às classes dominantes, bem como pela disputa de direção da luta entre o STR e o MST, no sentido de ter a hegemonia do movimento e organização dos trabalhadores, o que resultou no afastamento do MST. A não percepção dos antagonismos e das contradições da sociedade dificulta a construção de uma consciência crítica da classe trabalhadora, tornando-se um desafio a ser vencido
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10011
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Serviço Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo9334_1.pdf1.94 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.