Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8401
Título: Avaliação das funções cognitivas de atenção, memória e percepção em pacientes com esclerose múltipla do centro de referência do Hospital da Restauração
Autor(es): FREITAS, José Osmar Frazão
Palavras-chave: Esclerose múltipla; Déficits cognitivos; Atenção; Memória; Percepção.
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Osmar Frazão Freitas, José; Rejane Ramos Alves de Aguiar, Cilene. Avaliação das funções cognitivas de atenção, memória e percepção em pacientes com esclerose múltipla do centro de referência do Hospital da Restauração. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: Esclerose múltipla é uma doença desmielinizante, que leva à destruição de importantes estruturas do Sistema Nervoso Central. Essas lesões podem resultar em déficits cognitivos. Com o objetivo de investigar a relação entre esclerose múltipla e alterações cognitivas de atenção, memória e percepção, foramavaliados 28 pacientes do Centro de Referência do Hospital da Restauração, na cidade do Recife, que satisfaziam os critérios de inclusão: idade entre 20 e 55 anos, nível escolar mínimo de 2o grau completo e classificação na Escala Expandida de Incapacidade menor que 7,0. Foram empregados quatro testes psicológicos, validados pelo Conselho Federal de Psicologia: teste da cópia e reprodução de memória da figura complexa A de Rey-Osterrieth, teste de aprendizagem áudio-verbal de Rey, teste d2 e teste de dígitos. Para investigar o impacto da fadiga sobre as atividades cognitivas foi utilizada a escala MFIS-21Br. A análise estatística consistiu dos testes ANOVA, t para amostras pareadas ou deMann-Whitney e de Komogorov-Smirnoff, unicaudais à direita, para rejeição da hipótese nula com nível de significância de 0,05. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital da Restauração. Os resultados apontaram perdas cognitivas com significância estatística nos pacientes com idade entre 40 e 55 anos e nos que apresentaram comprometimento por fadiga nos subdomínios cognitivo e psicossocial. Os pacientes com tempo de doença entre 5,0 e 19,9 anos apresentaram redução da pontuação nos testes, mas sem significância estatística. Concluiu-se que, dentre as funções cognitivas avaliadas, memória foi a mais freqüentemente comprometida, seguindo-se atenção, sendo percepção, comparativamente, a mais preservada
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8401
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo3710_1.pdf3,76 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.