Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8319
Título: Efeito da desnutrição pós-natal com DBR (Dieta Básica Regional) sobre a morfometria testicular e o processo espermatogênico de ratos adultos
Autor(es): de Assis Marques Santos, Francisco
Palavras-chave: Desnutrição; Dieta Básica Regional (DBR); Células de Sertoli; Espermatogênese.
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: de Assis Marques Santos, Francisco; Virgínia Góis Leandro, Carol. Efeito da desnutrição pós-natal com DBR (Dieta Básica Regional) sobre a morfometria testicular e o processo espermatogênico de ratos adultos. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: Objetivamos investigar o efeito da desnutrição materna durante a lactação, com a Dieta Básica Regional (DBR), no testículo de ratos, através de análises quantitativa e qualitativas. Ratas Wistar acasaladas aos 3 meses de idade receberam ração normoprotéica até o nascimento dos seus filhotes. Os filhotes foram divididos em dois grupos: controle C (n=6), com água e dieta normoprotéica; e desnutrido D (n=6), com água e dieta multicarencial (DBR); dada às mães, lactantes. Após o desmame, os grupos foram mantidos com água e dieta padrão do biotério (Labina-Purina), ad libitum até a eutanásia aos 3 meses de vida quando foram pesados, anestesiados, perfundidos com paraformaldeído a 4% em tampão fosfato (0,05M - pH 7,4) e orquiectomizados. O índice gonadossomático (IGS) foi estabelecido a partir da razão entre os pesos testiculares e corporal, obtidos no dia da eutanásia. Os testículos foram incluídos em parafina, processados histologicamente e corados com hematoxilina e eosina, depois analisados em microscópio de campo claro. Os pesos corporal (PC) e testicular (PT) do grupo desnutrido (324±6g; 1,67±0,05g) não diferiram dos pesos corporal e testicular do grupo controle (303±10g; 1,67±0,03g). Já o índice gonadossomático (IGS) do grupo desnutrido (1,11%) foi significativamente maior (p=0,021) do que o IGS do grupo controle (1,04%). O diâmetro tubular (DT) do grupo desnutrido (300±3&#956;m) foi semelhante ao grupo controle (295±2&#956;m), da mesma forma o comprimento do túbulo seminífero por testículo (CTS) do grupo desnutrido (16,9±0,7m) foi próximo do CTS do grupo controle (18±1,7m), ou seja, não houve diferença estatística significativa (p>0,05). Entretanto a altura do epitélio seminífero (AES) do grupo desnutrido (74±2&#956;m) foi estatisticamente menor (p<0,05) do que a AES do grupo controle (82±3&#956;m). A proporção de túbulos seminíferos foi menor (p<0,05) no D(84,0%) em relação ao C(81,7%). Houve redução de 48,8% no número de células de Sertoli por testículo do D (2,1±0,3 x107) em relação ao C(4,1±0,8 x107) (p<0,05). Os resultados sugerem que a desnutrição pós-natal com DBR em ratos adultos jovens, promoveu modificações significativas nos testículos, com ênfase na programação do número de células de Sertoli, no animal adulto, o que pode levar a alteração no processo espermatogênico e na produção espermática
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8319
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo3620_1.pdf931,83 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.