Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6129
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorJosé de Sá, Alcindo pt_BR
dc.contributor.authorDenílson Santos de Lima, Franciscopt_BR
dc.date.accessioned2014-06-12T18:02:17Z-
dc.date.available2014-06-12T18:02:17Z-
dc.date.issued2011-01-31pt_BR
dc.identifier.citationDenílson Santos de Lima, Francisco; José de Sá, Alcindo. A Micarande e suas territorialidades : de fábrica de sonhos à barbárie (pós) moderna. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6129-
dc.description.abstractApresentando-se como alternativa para diversão e a economia, com o desenvolvimento do turismo, a festa Micarande surgiu através da iniciativa do poder público em parceria com setores privados, no início da década de 1990. Com cobertura da imprensa e uma rede complexa de relações envolvendo políticos, empresários, turistas e a sociedade local, a festa ganhou visibilidade, com todo o seu aparato técnico científico informacional, através de trios elétricos, arquibancadas e camarotes e luzes pelas ruas. Apesar disso, a exclusão social da festa era mais sentida em seus múltiplos territórios, através de cordões de isolamento, que separavam os foliões pagantes dos não pagantes, e de camarotes e arquibancadas, montadas para servir os interesses e as necessidades de uma minoria. Junto da magia e do grande conteúdo de simbolismo, poder de encantar e convencer, a festa tornou-se sinônimo de violência, opressão, desigualdade social e outras mazelas que descaracterizou esse ritual festivo como sinônimo de civilidade, até sua última edição, em 2008. Em 2009, a Balança Campina surge como alternativa de substituição da Micarande, reproduzindo exatamente as suas desigualdades e exclusões, só que limitando totalmente o acesso dos pipocas . Assim, pretende se nesse trabalho analisar a Micarande e suas territorialidades, a partir da ideia projetada (a de fábrica de sonhos) e do confronto com a realidade exercida em seu período (a barbárie pós moderna).Para isso, utilizamos de revisão de literatura, aplicação de entrevistas e questionários junto aos foliões e a representantes da organização da festa, registro fotográfico e experiência empírica. Em sua etapa final, pudemos considerar que a festa possuiu um caráter estritamente econômico, ausente de discussões voltadas a cultura local, onde uma rede complexa de relações envolvendo mídia, político e empresários enalteciam a grandiosidade do evento, que externamente exibia poder, diversão e animação, mas tinha sua constituição interior baseada em territórios de opressão, violência, desigualdade na forma de acesso e participação, exclusão e outras denominações que descaracterizam a festa como sinônimo de civilidadept_BR
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológicopt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de Pernambucopt_BR
dc.subjectMicarandept_BR
dc.subjectFestapt_BR
dc.subjectTerritorialidadespt_BR
dc.subjectCivilidade e barbárie.pt_BR
dc.titleA Micarande e suas territorialidades : de fábrica de sonhos à barbárie (pós) modernapt_BR
dc.typemasterThesispt_BR
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Geografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo3379_1.pdf12.09 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.