Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4059
Title: O discurso de gestão democrática na administração da educação no município de Santa Cruz do Capibaribe
Authors: Quetti Marques de Souza, Débora
Keywords: Educação;Gestão Democrática;Patrimonialismo;Políticas Públicas
Issue Date: 31-Jan-2010
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Quetti Marques de Souza, Débora; Malaquias de Moraes Santos, Evson. O discurso de gestão democrática na administração da educação no município de Santa Cruz do Capibaribe. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Abstract: O presente estudo se insere no debate sobre o discurso e prática de gestão democrática da educação e tem como objetivo analisar as significações de democracia da gestão educacional no município de Santa Cruz do Capibaribe PE. Compreendemos que a sociedade se efetiva por redes simbólicas e imaginárias, que implicam instauração de sentidos e afetividade em suas instituições e em suas relações sociais e interinstitucionais. Cada sociedade é governada por um imaginário central e, no nosso caso, predomina o patrimonial: o domínio do privado sobre o público, relações de favores hierarquizadas e domésticas. A democracia é expressão de um imaginário fundado pelo indivíduo e pela liberdade o que implica a instauração de uma representação e afetividade, ou seja, a democracia é um valor sócio-histórico. Os procedimentos teórico-metodológicos englobam uma narrativa histórica do poder político do município de Santa Cruz do Capibaribe; análises de documentos que tratam de políticas de gestão democrática e participativa, em nível do discurso federal e local; observações das reuniões da Secretaria Municipal de Educação com os diretores e entrevista com um dirigente escolar. Os resultados mostraram que existe uma propagação de um discurso de gestão democrática, imbricada com a política de resultados, verticalizada e unilateral: é a prefeitura que faz obras e resultados aos seus cidadãos . Os cidadãos, por sua vez, são sujeitos passivos, que recebem a benfeitoria daqueles que administram. Esta prática discursiva coaduna com as práticas antropológicas das reuniões, prevalecendo a participação passiva e instrumental. Além disso, fortalecem-se a compreensão através dos estudos históricos, o poder do papel das famílias na política e na administração da cidade, inclusive na educacional. Neste sentido, os mecanismos de gestão democrática, de acordo com a realidade pesquisada, apontaram sérios questionamentos sobre a cultura democrática desencadeada pelos sistemas políticos que conduzem a educação, distanciando-se dos valores democráticos, de emancipação e participação efetiva dos cidadãos nas tomadas de decisões dos assuntos públicos, em especial da escola
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4059
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo241_1.pdf2.6 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.