Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3629
Título: Transição da linguagem estatal à privada, através da televisão : caso Bandepe
Autor(es): Duguay da Hora Pimenta, Rodrigo
Palavras-chave: Publicidade;Privatização;Televisão;Intertextualidade
Data do documento: 2005
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Duguay da Hora Pimenta, Rodrigo; . Transição da linguagem estatal à privada, através da televisão : caso Bandepe. 2005. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.
Resumo: O processo de privatização no país, gerou a multiplicação da produção publicitárias em diversos segmentos monopolizados pelo controle estatal. Outros setores, no entanto, tinham empresas de controle estatal e privado competindo antes deste processo. É fácil perceber, por tanto que diversas características da publicidade controlada pelas esferas (estatal e privada) extrapolam a simples a simples evolução da mensagem publicitária na última década do século XX. Neste contexto particularizamos o caso do Banco do Estado de Pernambuco Bandepe que foi o único a ser privatizado e manter a unidade de sua marca mesmo após a venda. Esta manutenção em si já nos sinaliza vitalidade na percepção da importância do ativo marca mesmo num processo de venda de uma instituição pública, o que já mereceria uma discussão. O objetivo deste trabalho é fundamente entender a interdiscursividade nas duas esferas que regem a propaganda do Bandepe nesta década controle estatal e controle privado e a que ponto elas influenciam o discurso final das peças publicitárias em televisão
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3629
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Comunicação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RDHP.pdf2,35 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.