Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23390
Título: Comprometimento cognitivo e fatores associados em idosos longevos atendidos no programa de saúde da família
Autor(es): FRANÇA, Jaqueline Maria de
Palavras-chave: Envelhecimento; Idoso de 80 anos ou mais; Cognição; Comunidade
Data do documento: 15-Mar-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Objetivo: Avaliar o comprometimento cognitivo em idosos longevos assistidos na atenção básica de saúde. Método: Estudo descritivo, quantitativo e de corte transversal, integra pesquisa maior intitulada “Envelhecimento bem-sucedido em idosos longevos e fatores associados”. A investigação aconteceu na Microrregião 4.2 assistidos na atenção básica do município do Recife que compreende os bairros do Engenho do Meio e Torrões tendo como critérios de inclusão ter idade mínima equivalente a 80 anos, está cadastrado na Unidade de Saúde da Família e residir na área. Foram excluídos idosos institucionalizados e que possuíssem comprometimento de comunicação comprometesse a coleta dos dados. Desse modo, a amostra foi constituída por 119 idosos de ambos os sexos. Utilizou-se para o registro das informações um roteiro de entrevista estruturado com questões fechadas e organizadas em blocos, incluindo: identificação do participante, dados sociodemográficos, condições de saúde e, escalas que avaliaram comprometimento cognitivo (MEEM) e sintomatologia depressiva (GDS). Foi realizada análise dos dados utilizando técnicas de estatística descritiva e inferencial. A análise foi realizada utilizando a abordagem estatística descritiva e analítica. Para a abordagem descritiva foi realizada a distribuição de frequências absolutas e relativas para variáveis categóricas e medidas descritivas como média, mediana, moda e desvio padrão para variáveis contínuas. Na análise estatística inferencial bivariada foi utilizado o teste QuiQuadrado de Pearson. Para verificar a associação entre a variável dependente – comprometimento cognitivo - e as variáveis independentes – idade, sexo, situação conjugal, escolaridade, renda, comorbidades e sintomatologia depressiva – foi realizada uma análise multivariada utilizando um modelo de regressão logístico para determinação da razão de prevalência e seu respectivo intervalo de confiança em nível de 95%. Resultados: Dos 119 idosos houve predominância do sexo feminino (76,5%); faixa etária inferior a 85 anos (51,3%); estado conjugal viúvo (a) (63%); escolaridade de 1 a 4 anos de estudo (42,9%); renda de 1 a 2 salários mínimos (79%); a comorbidade diagnosticada em prontuário mais presente é a hipertensão arterial (75,6%); a maioria dos idosos não apresentava sintomatologia depressiva (52,9%), porém mais da metade dos idosos tinha comprometimento cognitivo (58,8%). Conclusões: Os idosos longevos aqui investigados apresentaram um alto índice de comprometimento cognitivo, havendo associação estatisticamente significativa entre as variáveis, idade, escolaridade, hipertensão arterial e osteoartrose. Percebe-se que, apesar das dificuldades e limitações enfrentadas pela saúde pública brasileira, muitos idosos conseguem chegar e ultrapassar os 80 anos. Desse modo, é necessário maiores investimentos para a prevenção e cuidados a essa população que possui características de saúde e doença peculiares e, uma melhor preparação para os profissionais que atuam com a mesma para que tenhamos efetivamente um envelhecimento com qualidade de vida.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23390
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Gerontologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO DE JAQUELINE MARIA DE FRANÇA.pdf1,26 MBAdobe PDFVer/Abrir    Item embargado


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons