Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1743
Title: Desenvolvimento, purificação e caractrização de igG anti lectina de folha de Bauhinia monandra
Authors: Johannes Haver, Nicolaas
Keywords: Bauhinia monandra;Lectina de folha;Purificação de IgG;Propriedades eletroquímicas
Issue Date: 2002
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Johannes Haver, Nicolaas; Cassandra Breitenbach Barroso Coelho, Luana. Desenvolvimento, purificação e caractrização de igG anti lectina de folha de Bauhinia monandra. 2002. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.
Abstract: A lectina de folhas de Bauhinia monandra (BmoLL) foi previamente purificada por fracionamento com sulfato de amônio (F 0-60%) seguido por cromatografia de afinidade com gel de Guar. Para o estudo da BmoLL foi desenvolvido um anticorpo policlonal em coelho contra esta lectina; anti-BmoLL IgG foi purificada em coluna de Sepharose-Proteína A. Em imunodifusão, anti-BmoLL IgG apresentou reações cruzadas com lectinas de Bauhinia purpurea e Ulex europaeus I. Lectinas de Bandeiraea simplicilofia II e Triticum vulgaris reagiram inespecificamente com substâncias presentes no antissoro mas ausentes na preparação obtida de IgG. Precipitações de anti-BmoLL IgG com extratos de outros tecidos de B. monandra, revelaram outras formas moleculares da lectina. Anti-BmoLL IgG foi conjugada com peroxidase e aplicada em ELISA, confirmando os resultados de imunodifusão. Para a sua aplicação no biossensor piezoelétrico, o rendimento do método de imobilização foi testado imobilizando anti-BmoLL IgG em placas de ouro (4 x 4 x 0.5 mm3) em quantidades de 0, 110 e 220 mg em 100 ml utilizando dextrana tratado com bromocianeto. As concentrações de IgG não imobilizada foram medidas pela quantificação de proteína após a imobilização e lavagens com PBS. As quantidades de 110 e 220 mg de anti-BmoLL IgG apresentaram respectivamente, rendimentos de imobilização de 46% e 33%. Anti-BmoLL IgG (110 mg/ml) foi imobilizada na superfície de ouro de Microbalança de Cristal de Quartzo (do inglês Quartz Crystal Microbalance, QCM). Na execução de ensaio de piezoelétrico, a QCM foi incubada com solução de BmoLL (91 mg/ml) seguido de uma redução de freqüência com 5 kHz, mostrando um grande reconhecimento da lectina pela IgG imobilizada. No potenciometro e no medidor de turbidez, anti-BmoLL IgG não provocou nenhuma alteração na ligação de galactose por BmoLL, indicando que a IgG purificada não tem afinidade pelos sítios de ligação de carboidrato de BmoLL
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1743
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo5003_1.pdf1.45 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.