Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14240
Título: Evolução geomorfológica e reconstrução paleoambiental do setor subúmido do Planalto Sedimentar do Araripe: um estudo a partir dos depósitos coluviais localizados nos municípios de Crato e Barbalha - Ceará
Autor(es): Lima, Flávia Jorge de
Palavras-chave: Geografia; Geomorfologia; Geomorfologia ambiental; Paisagem; Chapada do Araripe
Data do documento: 17-Mar-2015
Resumo: A compreensão dos processos formativos assume um papel fundamental para explicar detalhadamente os elementos causadores de rupturas no equilíbrio das condições ambientais e, consequentemente, desencadeadores dos episódios de maior atividade geomórfica nas encostas. No decorrer do tempo geológico as formas de relevo são esculpidas, elaboradas e reafeiçoadas pela dinâmica superficial, cujos registros guardados nos modelados de agradação são capazes de elucidar como as diferentes paisagens evoluíram e quais processos atuaram. Nesta perspectiva, a pesquisa teve como objetivo compreender a gênese e evolução da paisagem geomorfológica no decorrer do Quaternário Tardio, no contexto das superfícies deposicionais sobre um setor do entorno do Planalto Sedimentar do Araripe, nos municípios de Crato e Barbalha/CE. Com base na abordagem morfoestratigráfica, amostras foram coletadas para as análises sedimentológicas, micromorfológicas, difração de raios-X das argilas e datação por Luminescência Opticamente Estimulada (LOE). O cruzamento das informações mostraram que registros de deposição estão estocados na paisagem pelos menos desde os últimos 75.000 anos. Contudo, dois intervalos marcam situações de maior atividade morfogenética nas encostas: 1- De 40.000 a 30.000 anos AP, período em que ocorreu uma ampla formação de depósitos por fluxos de detritos de baixa viscosidade e não canalizados, frutos da remobilização maciça dos depósitos de tálus em resposta a possíveis eventos pluviométricos de alta energia e baixa recorrência sobre uma superfície exposta; 2 - De 30000 a 18000 AP, sucessivos fluxos de lama generalizados pela paisagem recobriram a superfície dos fluxos de detritos anteriores. Estes sinalizam a continuidade dos processos morfogenéticos na esculturação das encostas e no recuo da cimeira estrutural do planalto sedimentar, submetidas aos eventos de chuvas torrenciais comuns ao Nordeste continental, resultantes da instabilidade climática associada ao Último Máximo Glacial com clima mais frio e seco. Para finalizar é fundamental destacar que os dados encontrados além de fornecerem algumas respostas importantes sobre a evolução geomorfológica da área, também trouxeram novas questões cujos limites das técnicas e objetivos da tese não permitiram responder, gerando, consequentemente, a necessidade de trabalhos futuros.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14240
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Geografia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese versão final OK.pdf12,96 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons