Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14001
Título: Avaliação do deslocamento vertical de aterro sobre solo mole executado no projeto de duplicação da BR-101/PE
Autor(es): MACHADO, Layza Verbena de Souza Santos
Palavras-chave: Argila Mole; Deslocamento vertical; Monitoramento; Instrumentação
Data do documento: 29-Fev-2012
Resumo: Este trabalho analisa o comportamento dos deslocamentos verticais do aterro sobre solo mole executado na obra de duplicação da BR-101/PE, através de métodos e modelos propostos na bibliografia existente. Este aterro está situado no Lote 6, entre a Divisa dos estados PB/PE e o Município de Igarassú/PE, na várzea de Goiana-PE. Fizemos neste trabalho uma comparação entre o comportamento real e o previsto, através da avaliação da eficiência e aplicabilidade dos métodos. O projeto contemplou a estabilização do solo de fundação através da aplicação de geodrenos, com um reforço do aterro feito através da inclusão de geogrelha entre duas camadas de colchão drenante com 0,30 m de espessura para cada camada. Para a eficiência do monitoramento foram instalados inclinômetros, placas de recalque e piezômetros. De uma forma geral, discutimos, no contexto das investigações geotécnicas, critérios de projeto e metodologias construtivas, bem como avaliação de desempenho de aterros rodoviários construídos em cima de espessas camadas de argila mole. O aterro estudado no projeto de duplicação da BR-101/PE previa uma altura de 4,60m. Quando comparamos os valores dos recalques calculados, em três situações diferentes, considerando essa altura do aterro de 4,60m, uma com os dados fornecidos pelos ensaios de laboratório, depois considerando o solo normalmente adensado e por fim fez-se a correção da curva edométrica e adotaram-se novos parâmetros, e em todos os casos o recalque foi calculado pelo método do adensamento de Terzaghi, notamos que estes valores estão variando 0,79m a 2,4m Porem, o aterro so foi executado até a altura de 2,00m. Então, comparamos também, os recalques para o aterro executado com essa altura, e verificamos que estão variando entre 0,4m e 2,06m, obtidos em cinco situações diferentes, isso se deve, principalmente, ao fato de que a adoção dos parâmetros depende da amostra ser de boa qualidade, influenciando diretamente nos valores dos recalques. A primeira situação utilizou-se os parâmetros fornecidos pelos ensaios de laboratório, a segunda considerou o solo normalmente adensado, a terceira fez-se a correção da curva edométrica e adotaram-se novos parâmetros, a quarta utilizou os novos parâmetros da curva edométrica corrigida, e considerou a primeira camada como normalmente adensada, e em todos os casos o recalque foi calculado pelo método do adensamento de Terzaghi. Nota-se que há uma variação considerável nos valores do recalque, devido à metodologia adotada para a determinação dos parâmetros utilizados. A quinta situação, utilizou-se as leituras dos instrumentos de controle em campo, e aplicamos a método de Asaoka. Notamos que o recalque está variando de 0,35 e 0,45m para o medido em campo, e entre 0,45m e 0,55m para o estimado pelo método de Asaoka. Portanto, podemos concluir que há uma tendência a estabilização dos recalques no aterro executado, baseado nas metodologias aplicadas neste trabalho.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14001
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Engenharia Civil

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO _finalizada_22_cd.pdf14,35 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.