Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1361
Título: Perfil enzimático de dermatófitos e avaliação da atividade antifúngica de própolis e lectinas
Autor(es): SIQUEIRA, Ana Beatriz Sotero
Palavras-chave: Dermatófitos;Perfil enzimático;Própolis verde brasileira;Própolis vermelha brasileira
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Beatriz Sotero Siqueira, Ana; Lúcia Figueiredo Porto, Ana. Perfil enzimático de dermatófitos e avaliação da atividade antifúngica de própolis e lectinas. 2008. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: Dermatófitos são fungos filamentosos capazes de infectar pele, pêlos e unhas. São classificados nos gêneros Microsporum, Trichophyton e Epidermophyton. Com o objetivo de analisar o perfil enzimático desses fungos e avaliar atividade antifúngica de própolis brasileiras (verde e vermelha), como também de lectinas de sementes de leguminosas do Brasil (DViol, DRL, ConBr e LSL), foram utilizadas trinta amostras de seis espécies de dermatófitos preservadas na Coleção de Culturas Micoteca - University of Recife Mycolgy (URM), do Departamento de Micologia, da Universidade Federal de Pernambuco, sendo cinco amostras de cada espécie: Microsporum canis, Microsporum gypseum, Trichophyton tonsurans, Trichophyton mentagrophytes, Trichophyton rubrum e Epidermophyton floccosum. Todas as amostras, preservadas ente 2 e 22 anos, foram confirmadas taxonomicamente. Foi verificado que o período de estocagem não interferiu na capacidade crescimento e esporulação dos dermatófitos (p-valor < 0.01) e que a estocagem induz ao pleomorfismo de M. canis, independente do período. Atividade de proteases foi verificada em 57% das amostras. Todas foram capazes de crescer em meio de ágar-queratina e ágar-gelatina, indicando atividade de queratinases e colagenases, respectivamente. Em nenhuma amostra foi constatada atividade de fosfolipases mas em 90% foi observada atividade lipásica. O período de estocagem não interferiu na atividade de proteases, queratinases, colagenases, fospolipases e lipases. Para verificação da atividade antifúngica foi utilizado o método publicado no documento M38-A pelo Clinical and Laboratory Standards Institute , utilizando como controle o itraconazol e a terbinafina. A concentração inibitória mínima foi determinada por leitura visual e por leitor de microplacas. A concentração fungicida mínima foi determinada pela ausência do crescimento fúngico em meio de cultura Sabouraud líquido. O extrato alcoólico da própolis verde apresentou atividade fungistática entre 8 e 1024&#956;g/mL e o da própolis vermelha entre 8 e 512&#956;g/mL, variando para cada espécie de dermatófito analisada. O extrato aquoso da própolis verde e as soluções de lectinas não apresentaram atividade antifúngica. Foi constatado que as lectinas utilizadas apresentaram discreto efeito estimulador sobre o crescimento dos dermatófitos em cultivo, e que a lectina DViol também estimulou a esporulação das amostras de E. floccosum. Dessa forma, foi demonstrado que não houve interferência para expressão enzimática desses dermatófitos preservados na Coleção de Cultura Micoteca - URM. Foi verificado também que o potencial antifúngico dos extratos alcoólicos das própolis verde e vermelha para essas espécies, sugerem aplicações futuras como tratamento alternativo para dermatofitoses
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1361
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1524_1.pdf895,73 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.