Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12194
Title: Efeito de Variáveis Ambientais Sobre a Estrutura de Comunidade dos Crustacea Decapoda Na Plataforma Continental Sul do Rio Grande do Sul (Brasil)
Authors: Souza, José Afonso Feijó de
Keywords: Estrutura de Comunidade; Decapoda; Plataforma Continental; Atlântico Sudoeste; ENOS
Issue Date: 29-Feb-2012
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: SOUZA, Jose Afonso Feijo de. Efeito de variáveis ambientais sobre a estrutura de comunidade dos Crustacea Decapoda na plataforma continental sul do Rio Grande do Sul (Brasil). Recife, 2012. 169 f. : Tese (doutorado) - Universidade Federal de Pernambuco. CTG. Oceanografia, 2012.
Abstract: A compreensão quantitativa dos fatores que definem a distribuição dos organismos é essencial para uma previsão de pesca e uma gestão eficiente dos estoques. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos potenciais das principais variáveis abióticas nos crustáceos decápodos epibentônicos na plataforma ao sul do Brasil. Foi possível testar estatisticamente (MDS, ANOSIM e SIMPER), pela primeira vez, o efeito da temperatura, salinidade, massas d’água, profundidade, sedimentos, sazonalidade e interanualidade na estrutura de comunidade de crustáceos decapodos epibentônicos da plataforma continental (8-200 m) sul do Rio Grande do Sul. Totalizaram-se 298 estações de coleta em 9 cruzeiros (NOc."Atlântico Sul": Projeto Crustáceos Decápodos da Costa Rio-grandina; 1982-1984). Em cada estação tomaram-se os dados de temperatura, salinidade e profundidade, efetuando-se um arrasto com rede camaroneira de portas (malha: 13 mm) para a coleta biológica. Realizou-se análises multivariadas basedas nas 21 espécies mais frequentes. O peneídeo Artemesia longinaris (abundância: 90,8%) foi dominante, seguido por Pleoticus muelleri (4,6%), Portunus spinicarpus (1,4%) e Parapenaeus americanus (0,8%). A temperatura de fundo, no período de primavera e verão, exerce efeito significativo na estrutura de comunidade dos decápodos, na plataforma interna. Diferencia-se um grupo de decápodos de águas quentes (20-25ºC) em relação às faixas de 11-14,9ºC e 15-19,9ºC. Artemesia longinaris apresenta tendência termófila dentro de sua valência euritérmica. A salinidade de fundo, no período de outono e inverno, exerce efeito significativo na estrutura de comunidade dos decápodos, na plataforma interna. O grupo da faixa 30-34,9 diferencia-se em relação aos das faixas 11-24,9 e 25-29,9. As espécies Portunus spinicarpus e Dardanus insignis estiveram mais associadas à salinidades maiores que 30, enquanto Artemesia longinaris e Pleoticus muelleri exibiram capacidade de adaptação à salinidades menores que 30. A Pluma da Lagoa dos Patos (PLP) e a Pluma do Rio da Prata (PRP) atuam como um conjunto para a comunidade de decápodos da área. As massas d’água exercem efeito significativo na estrutura de comunidade dos decápodos da plataforma interna. Os grupos da Água Central do Atlântico Sul, PLP-PRP, Água Subantártica de Plataforma e Água Subtropical de Plataforma diferem entre si. Artemesia longinaris, dentro de sua valência termohalina, exibe capacidade de adaptação à PLP. A plataforma da área diferencia-se em faixas de profundidade influenciando a estrutura de comunidade dos decápodos. A plataforma externa (100-200 m) atua como uma unidade, e difere da plataforma interna (08-65 m), considerando-a como uma unidade, e também de cada uma das suas três faixas (08-20 m; 21-35 m; 36-65 m), as quais também são distintas entre si e dispostas em paralelo à costa. Propõe-se que a segunda faixa de profundidade atue como uma transição entre a primeira e a terceira, bem como a terceira atue como uma transição entre a plataforma interna e a externa. Os sedimentos (granulometria) discriminaram grupos de Decapoda, apenas quando cada faixa de profundidade foi considerada como uma unidade, apresentando efeito na estrutura da comunidade em unidades de menor escala espacial, e indicando haver outras variáveis com maior atuação nas unidades de maior escala. A regra geral foi diferenciar grupos com ocorrência predominante em fundos arenosos em relação aos de maior fração lamosa. A sazonalidade exerce efeito significativo na estrutura de comunidade dos decápodos na plataforma externa (primaveraverão) e interna (verão-inverno). Na plataforma interna, a diferenciação dos grupos passa pela diminuição da riqueza de espécies e respectivas densidades na comunidade de decápodos de inverno, resultado de variações termohalinas restritivas no período de inverno. A variabilidade interanual exerce efeito significativo na estrutura de comunidade dos decápodos na plataforma externa e interna. As variações interanuais estão ligadas às massas d’água nos respectivos períodos, tendo o ENSO como fator gerador. Dois mecanismos são propostos para explicar o efeito do fenômeno ENSO sobre a comunidade de decápodos: a) aumento das chuvas e da descarga da Lagoa dos Patos em condição El Niño, afetando os decápodos costeiros; b) o deslocamento das massas d’água provocado pelas diferentes condições ENSO, afetando a comunidade de decápodos na plataforma interna e externa. Assim, este estudo contribui para elucidar as relações altamente complexas entre os organismos e seu ambiente na região.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12194
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Oceanografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JAFS.pdf2.26 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons