Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10280
Título: Efeito Toxico-Genético dos Larvicidas Dilapiol e Espinosade em Células Somáticas de Drosophila Melanogaster
Autor(es): ACIOLE, Eliézer Henrique Pires
Palavras-chave: SMART; Mutação; Recombinação; Saúde Publica; Inseticidas
Data do documento: 31-Jan-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O uso constante de inseticidas em programas de saúde pública tem sido a principal medida para o controle de insetos vetores de doenças epidêmicas em países tropicais e subtropicais. Anualmente toneladas de inseticidas sintéticos, sobretudo os organofosforados, são lançadas ao meio ambiente na tentativa de controlar o crescimento populacional dos vetores. Os larvicidas são compostos capazes de matar larvas que se desenvolvem em reservatórios grandes ou pequenos, naturais ou artificiais de água, muitas vezes própria ao consumo humano. Os compostos dilapiol e espinosade são classificados como larvicidas, sendo o dilapiol um óleo essencial extraído da espécie vegetal Piper aduncum e o espinosad uma combinação de dois metabólitos produzidos pela bactéria Saccharopolyspora spinosa. O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos genotóxicos do dilapiol e do espinosade, por meio do teste de mutação e recombinação somática (SMART) de asa de Drosophila melanogaster. Na metodologia foi utilizado o cruzamento padrão, sendo as larvas com 72h de vida submetidas durante 48h à exposição crônica a três diferentes concentrações não letais do dilapiol (3,2, 16 e 80 um/mL) e do espinosade (0,32, 0,96 e 1,6 ug/mL). Para avaliação do efeito genotóxico, as frequências das manchas de pelos mutantes nas asas dos indivíduos tratados foram comparadas com os respectivos controles negativos. Os resultados indicam que ambos compostos tiveram atividade toxico-genética positiva, em todas as concentrações testadas, exceto o espinosade a 0,96ug/mL. A atividade genotóxica se deu, principalmente, à indução de recombinação e, em menor escala, à mutação somática, verificada apenas para o espinosade. Os resultados aqui apresentados contribuem para o conhecimento dos riscos genotóxicos do uso destes dois inseticidas, que merecem ainda mais estudos, feitos em outros modelos experimentais e outras condições e metodologias para que sejam considerados seguros para a saúde humana e o meio ambiente.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10280
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde Humana e Meio Ambiente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012-Dissertação-Eliezer-Aciole.pdf1,56 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons