Avaliação do processo de adsorção da microcistina-LR por carvão ativado

Idiomas

Busca avançada

Mostrar registro simples

dc.contributor.advisor Fernanda Pimentel, Maria pt_BR
dc.contributor.author Wagner Sampaio da Silva, Paulo pt_BR
dc.date.accessioned 2014-06-12T18:07:08Z
dc.date.available 2014-06-12T18:07:08Z
dc.date.issued 2005 pt_BR
dc.identifier.citation Wagner Sampaio da Silva, Paulo; Fernanda Pimentel, Maria. Avaliação do processo de adsorção da microcistina-LR por carvão ativado. 2005. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005. pt_BR
dc.identifier.uri http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6744
dc.description.abstract Em virtude do aumento do número de relatos de intoxicações agudas e crônicas, tanto de animais como em seres humanos, por toxinas produzidas por cianobactérias presentes na água, já existe uma grande preocupação por parte das companhias responsáveis pelo tratamento e distribuição de água potável. A aplicação do processo de adsorção por carvão ativado em sistemas de tratamento de água vem sendo largamente utilizado para a remoção de contaminantes específicos. Neste trabalho analisou-se a eficiência na adsorção da toxina microcistina-LR, a mais comumente encontrada em todo o mundo, em água purificada, por carvões ativados em pó (CAPs) produzidos a partir de resíduos agrícolas e/ou rejeitos industriais (mesocarpo do coco verde, bagaço da cana-de-açúcar, endocarpo do coco verde e resíduo têxtil). O carvão produzido a partir do mesocarpo do coco verde apresentou melhores características adsortivas, avaliadas pela área de BET, número de iodo e índice de azul de metileno. Com este carvão foi avaliada a evolução cinética e construída a isoterma de adsorção da microcistina-LR. O modelo de Langmuir aplicado aos dados na modelagem cinética apresentou resultados satisfatórios para a hipótese de um modelo de 1º ordem e as isotermas apresentaram um comportamento do Tipo I, atingindo o equilíbrio em 120 h. A capacidade máxima adsortiva encontrada do CA do mesocarpo do coco verde foi de 69,9 mgg-1, o que mostra uma boa capacidade de adsorção quando comparada a outros adsorventes citados na literatura pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Universidade Federal de Pernambuco pt_BR
dc.subject Cianobactérias pt_BR
dc.subject microcistina-LR pt_BR
dc.subject Carvão Ativado pt_BR
dc.subject Adsorção pt_BR
dc.title Avaliação do processo de adsorção da microcistina-LR por carvão ativado pt_BR
dc.type Dissertacao pt_BR


Arquivos deste item

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples


Compartilhe esta página